25 de junho de 2013

320

A vida é engraçada, e se repete muito. Pena que as experiências em sua maioria, mas não totalidade, precisam ser vivenciadas..a minha experiência não necessariamente serve de ponto de partida pra outro...

vou escrever assim, meio sem rumo, mas sei que se coliga...

Vejo hoje minha filha canina Tina no mesmo processo de envelhecimento da minha vozinha. Um dia anda até a esquina, duas semanas depois, menos 10 metros...depois menos 10...e assim vai. É tão aos poucos, que pra àqueles menos atentos, parece tudo igual, mas não é. Até os mesmos comportamentos, manias, tolerâncias ou não. Ser humano antes de tudo é um animal, e com a idade aquilo que a gente quer mostrar corresponde sim a aquilo que a gente é...

Fui criada por duas pessoas:
A primeira, um ser solitário na multidão, individualista, com uma infindável cultura geral, e alguém que amo, mas atualmente não tenho convívio. Me ensinou o amor pelos livros, pelo conhecimento...mas com o tempo, me dei conta que perdi parte da história, do mais importante.

A segunda, era uma batalhadora, sim, muito, sempre. Me ensinou o valor das regras, dos limites, do respeito. Muito presente na minha vida. Me ensinou a coisa mais importante para uma criança, o significado da palavra não. Entre trancos e barrancos, me fez entender seu ponto de vista, a mostrar o real valor das coisas. Talvez a minha maior agonia com ela, tenha sido não me oferecer colo, mas sempre mais ensinamentos de como a vida pode ser difícil, e como lidar com isto.

Estas duas pessoas.. tendo como filha, alguém com um alto grau de sensibilidade, me transformaram no que sou. Graças a esta percepção, consigo só hoje entender o processo de cada um, e a escolher o que me completa e o que não necessariamente faz parte do meu cotidiano.

A vida é engraçada.... Hoje vejo pessoas nas mesma situação, só que sei que mesmo que explique o final da história, precisa do meio, daquela parte em que os sentimentos e a experiência própria serão a única fonte de compreensão, e não a minha experiência.

A conclusão de tudo só tirei na fase adulta. Tentando ver a vida à distância..a minha vida a distância. Assim como minha avó e minha filha canina Tina, escolho caminhos objetivamente, fruto de auto conhecimento é claro. Hoje, o amor que tenho pelas pessoas, e que é muito latente em mim, não autoriza minha aproximação, mas a distância devida.

Sofro com isto, saber que mesmo amando, as escolhas se tornaram mais realistas. Não posso querer que entendam o que digo.

kkkkk..

Leiam "O Pequeno Príncipe", minha mãe me fez reler várias vezes por algum motivo, hoje sei qual é...transferir um conhecimento que não necessariamente ela tinha, mas que era necessário...e releiam...e voltem a ler. Em cada etapa da vida, as mesmas palavras têm um novo significado. Nem todas as pessoas vão perceber isto, mas acredite, todos são capazes. Fazer um entendimento diferente sobre as mesmas coisas, é o primeiro degrau do amadurecimento.

Não posso querer que todo mundo pense coletivamente, que se preocupe com os outros, que entenda o verdadeiro significado por trás do significado aparente..

Segundo uma professora que tive...que disse em aula a coisa mais banal do mundo, mas que pra mim ganhou uma conotação ainda mais forte: É preciso gostar de gente....antes de qualquer coisa!! Não acredito em quem não gosta de gente. E isto deve ser encarado como prioridade, e não só como uma forma de atingir outros objetivos.

Seres individualistas hoje não me interessam.
Dois mais dois não são quatro..
Agora entendo a razão.
A matemática é a muleta dos rasos.

Minha maior e grande preocupação hoje, é encontrar a verdade por trás das palavras: A intenção. Isto define o ser que quero por perto...

A tabuada da vida, que se F...!!
a vida é mais intensa assim..
Postar um comentário